19 de outubro de 2011

O Deus

Eu tinha aprendido que Deus era Deus. Grandioso e que detinha de poderes para fazer o que quisesse com o mundo, com as pessoas, com cada coisa debaixo do céu. Que ele era grande e que meus olhos jamais poderiam olhar o dele, pois sou humano demais para isso. Ensinaram-me a olhar Deus de longe.

Em minhas orações antigas, eu mesmo no silêncio tinha que gritar e espernear. Fazer escândalo mesmo para poder ser atendido em minhas orações, que tinha que me manter em oração, mas para que? Se ele simplesmente não atendia um pingo de pedido meu?

Foi quando decidi abdicar do Deus das Igrejas. Não quis mais saber do Deus dos outros e nem das orações dos outros. Afastei-me de tudo que falavam e fui tentar encontrar esse Deus, o meu Deus nas coisas que eu detinha. Não sei se encontrei, mas sabe de uma coisa? Foi na bagunça que encontrei uma força para querer arrumar tudo.

Nas decepções, encontrei depois das lágrimas, forças para continuar em pé, nas desilusões, coragem para escancarar meus medos e poder falar de igual para igual comigo mesmo. Tudo dentro da minha cabeça. E daí fui percebendo que o Deus de longe, intocável e cheio de frescuras não existia. Que não tinha um céu e nem um inferno.

Um Deus humano me foi apresentado pela vida – minha vida – e nem se parecia com a antiga concepção que eu tinha sobre Ele. Era um Deus superior em mim e em cada coisa que eu podia tocar, ouvir, ver, sentir. Uma sensação, um frio e sempre calor. Aprendi que Deus era o abraço que eu dava e recebia. Era o amor que eu tinha e poderia dar. Que Deus era mais que tudo que diziam e menos que muitos conheciam. Que não estava dentro de templos, nem de escritos e nem de nada.

E foi desse jeito, sempre torto, caindo aos pedaços que percebi que Deus era reconstrução e não obra plenamente dita. Que ele era feridas curadas e não corpo sempre belo. Que Deus era ruga e todo sinal de expressão que a gente tem. Que Ele é coração palpitante, descompassado e que de vez em quando perde o ritmo. Esse é o Deus que aprendi com a vida. Tinha que deixar as velhas subjeções para saber que Deus é bem isso: nascimento, vida e morte. Deus é saudade, amor, paixão. Ele é também ódio, caos e desestabilidade. Que Deus é sempre Deus, isso não nego, mas que também é homem, mulher, animal. Que tudo a vosso respeito, é subjeção e só sabemos o que é de fato quando sentamos a beira do furacão e sentimos que tudo pode estar perdido e que não vai resolver e precisamos mudar de plano, que é nas besteiras da vida que contemplamos a verdadeira característica de um Deus que permitiu que fossemos humanos e Deus também. Que não escolhe seus prediletos e que permite os tombos, as lacunas nunca preenchidas e os transbordamentos das emoções. É assim, meu Deus de antes não é em nada o Deus conceptivo que tenho agora, ele é apenas Deus, quando sou humano.

12 comentários:

Ana Carolina disse...

Estou numa fase muito cética, acho muito bonito quem encontra essa fé ... Mas estou numa fase que preciso me encontrar primeiro, sabe?
quem sabe que assim como você não encontre na bagunça

:)

http://conflitopsiquico.blogspot.com/

Leônidas disse...

Cara, vc escreve muito bem, parabéns!

Bruno Dias disse...

Bom...Sei lá o que penso sobre Deus atualmente... Acontecem tantas coisas ruins no mundo que tem hora que desacredito nele...

Rock in Culture disse...

Eu sou meu Deus não preciso de nada maior para mandar na minha vida sentimentos e emoções so nos podemos fazer milagres e criar vida

ManoloFail disse...

Cara tem gente que estraga o rock , Deus existe sim ninguem é Deus de ninguem otario ! Começe a crer em Deus de verdade para voce ver !

essas pessoas me indignao ,nada melhor do que ver meu blog para rir mesmo !
http://manolofailbr.blogspot.com/

André Narciso disse...

Eu sou ateu,e estou muito longe de mudar isso.Como disse o Rock in Culture,"Eu sou meu Deus..." Não preciso de mais nimguém pra comandar minha vida.

Nádia disse...

Deus, é tudo na vida de um ser humano
bom, é o que acho.........

Venusiano Ramos disse...

Bela postagem...

Lorenna Guerra disse...

Adorei o texto.
Penso assim também!

Bj
http://www.garotasdizem.com/

Paula disse...

Deus é essencial, e poder harmonizar Deus com nossa vida é fundamental, mas para isso precisamos encontra-lo

Milles Gonçalves disse...

Parabéns pelo post e pelo Blog!!
Viva Deus somente.. Sem religião

Paz

Sou fotografo e criei esse blog pra divulgar o meu trabalho!!
http://millesgoncalves.blogspot.com/
Se quiser dar uma olhada

Filipe Dias disse...

Muito bom o seu texto, realmente bonito e sincero. Também ando cético, como disse a mocinha ali na frente, mas isso nao que dizer que nao acredito nos principios basicos da vida ou da moral