11 de janeiro de 2012

Sertão


Enquanto a
Pólvora
Acesa
Não abate
Minha carne
Caminho
Todo o sertão
De afetos
Esquecimentos
De solo
Beira a fome
De manter em pé
Aquele que
Por
Um destino
Escolheu caminhar
Decide-me
Pelos agrestes
Das coisas
Afastei-me
Segui as beiras
Não voltei
Nem por ninguém
Por notícias
Por nada
Nem por terra
Estou sertaneijando
De minha gente
E um pedaço
Bem pequeno de terra.

6 comentários:

Eumar Lima disse...

Letra linda, e a interpretação também é incrível!

Maíra Cintra disse...

Faz tempo que não venho aqui! Parabéns, cada vez mais lindo!

Arash Gitzcam disse...

mto bom... rápido e bem ritmado...

Marijleite disse...

Primeira vez que visito o blog;gostei bastante.
Amo muito essa música do vídeo;gostei do texto,consegui imaginar um "caminhar pelo sertão e não olhar para trás ".


www.marijleite.blogspot.com

Sabrina gomes disse...

Lindo poema! Mostrou-nos a realidade do sertão brasileiro, adoro esses tipos de música .
Blog bem escrito. Parabéns.
www.spiderwebs.tk

BEPClub disse...

Gosto dessa musica =D