7 de fevereiro de 2012

Vivendo Palavras (1 ano)

Quando a gente faz aniversário, vez ou outra rola festa. quando aquilo que mais amamos na vida completa seus dias, meses e até seu primeiro ano, tornamos festivo também a data que essas coisas aconteceram. É assim no namoro, casamento, nascimento de um bebê, o primeiro emprego...

Cada um, tem lá a sua palavra, viver é mais complicado, porém não é impossível. Por isso devemos pensar para nossa vida, as coisas que suportaríamos para não desistir mais a frente.

Viver um ano em um segundo; levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima... De tantas são, as músicas, os textos, as pessoas, as coisas que tornam especiais as nossas escolhas. De todas são as lágrimas que nos dão pensamentos por hora pessimistas, mais tarde, realistas e força para querermos continuar.

Viver uma palavra, é acreditar fielmente naquilo que somos capazes de imaginar para a nossa vida.

Pois muito bem; eu estou vivendo palavras. Textos conexos e desconcertados. Poesias sem rimas, contos sem final, crônicas as avessas. Estou assim, entre a sanidade e a loucura; a calmaria e o caos. Estou sendo humano, de todas as formas, sem me preservar o direito de ficar parado num cantinho qualquer. Vou conhecendo as coisas que a vida me dá e todas aquelas que eu posso ir atrás e me dar. Ficar parado é para os fracos.

Fui, com o tempo, aprendendo a dar valor as pequenas coisas. Se me dizem que eu não sei o que quero, com toda certeza do mundo hoje eu posso responder: não sei mesmo, pois quero tudo e é atrás disso tudo que estou indo atrás. Sou do tipo de pessoas que senta em meio ao furacão, faz prece quando se era para estar prestando atenção em algo; que ama, quando simplesmente era para ignorar. Não sou daqueles que escolhe o fácil, mesmo parecendo, muitas vezes que tudo o que eu faça parece superficial para todos que me olham, mas que para mim, é mais verdadeiro que qualquer julgamento.

Sou aquele sonhador que aprendeu a manter os pés no chão; que chora sempre que a saudade aperta o peito; que ri quando não se pode. sou daquele ser humano que poucos amam, muitos acham um babaca, mas que menos que todo o resto, não me suporta. Sou assim, vivo a minha vida e acreditem se quiser, não arrumo tempo para viver a dos outros.

Tenho o Santo Forte, mas as vezes me sinto fraco. Acredito em duendes, fadas e gnomos. Não acredito em socialismo, verdade absoluta e nem em capeta baixando em culto. Sou aquele que não para em uma religião; que não sabe se quer continuar sempre nos mesmos estudos e nem sempre com os velhos amigos, mas com esses último, os amigos, os que são de verdade não se encaixam nesses momentos.

Não vivo as palavras alheias, mas de alguma coisa, tiro dos outros. Tenho meus sonhos que incluem pessoas - vivas e mortas. E como essas são minhas palavras; vivo aos poucos, as palavras de uma cantora de rock, que sem se saber, muda, me faz sentir, calar, chorar e amar, seu nome? Pitty! Gosto de uma banda, de um cara que cantou para a geração formada quando eu nascia, mas honro em ser e dizer que sou fã, Nirvana. Sou apaixonado por uma moça que sempre ao pensar em seu nome me leva a Woodstock, Janis Joplin e de todos esses, aprendi a viver as palavras, por ter nascido no seu país, por ter um dia escutado as suas músicas e por um dia ter ouvido mais que tudo sua voz: Cazuza!

Tenho uma queda a loucura com Nietzsche; amo, mesmo que não merecendo, uma escritora cuja alcunha é Clara Averbuck - essa por sua vez, sente algum tipo de repulsas por mim, mas não ligo, amor dado, não é amor cobrado. Sou amante de Fitzgerald.

De tudo isso, ainda tenho uma palavra de decepção no que tange alguns 'seres humanos'. Escritor que se presta, conversa com seu leitor, não o ignora, como me fez alguns... Cantor que é cantor, mesmo que ao longe, acena para seu público. Artista no modo geral que é aquilo que de fato se escolheu para ser, coloca aquele que ele atinge em primeiro lugar, depois suas obrigações.

Assim, vou vivendo minhas palavras. Um ano em um segundo. Tudo de uma vez!

7 comentários:

Blog UaiMeu! disse...

Parabéns pelos 1 ano.
Venha nos visitar!
abraços

Morini disse...

Parabéns, e que seu blog dure muitos e muitos anos!! =)

Belo texto!




http://umlivroqualquer.blogspot.com/

Célia disse...

Vejo que você é normal, pois viver entre palavras, das palavras e para as palavras é insanamente maravilhoso para que se deixou contaminar! Um ano é uma vida norteada ou desnorteada entre vogais e consoantes! Parabéns!
Abraço da Célia.

Zilda Mara Peixoto disse...

Oi,amore!!
Fã que é fã não deixa de marcar presença!Por isso,estou aqui para lhe parabenizar por essa data tão especial!!Sorte dos leitores que tem um lugar tão especial quanto esse!
Muito mais sucesso...muitos anos de vida!!
Sua amiga e fã incondicional!!
Zilda Mara
Cachola Literária

Carolina Lima disse...

Lindo, lindo texto! Eu sei o valor de um anod e blog quando eu fiz um ano d eblog. Foi como se eu acompanhasse uma vida se formando ali no mundo virtual. Espero que em maio eu faça um post tão bom quanto o seu de níver de 2 anos! aasjaushjaush
Vc vive suas palavras muito bem. Patabéns. *-*

Marcos P. disse...

Parabéns pelo blog!!
E essa frase foi a que eu mais gostei e fiquei refletindo sobre.. "Viver uma palavra, é acreditar fielmente naquilo que somos capazes de imaginar para a nossa vida".

Abraços! :-)

Mosaicos de uma vida disse...

Gostando muito da forma que vc se expressa. Mostra sensibilidade, tem característica sui generis uma véz que não usa palavras repetidas. Seu texto é seu e pronto.
Vc diz que chora, mas também rir. É sensível evitando ser melancólico.
Muito bom!