13 de abril de 2012

Sob a minha carne

Entre os risos de sua pele
Escondi-me a imagem dos seus traços
Sem evitar, fiz-me nu como estava
Descolorido e sem marcas
Vi em seus ombros a força sob minha carne
Um jeito forte de segurar
Um modo simples de desejar
Um eu, para um eterno você.

Um comentário:

Célia Rangel disse...

... "desejar um eu... para um eterno você"... Fantástico!
Abraço, Célia.